Day trip para Bratislava (Eslováquia)

  • 3/12/2016
  • comentários
  • Por: Guilherme Goss De Paula

DSC02017

O dia amanheceu em Viena (Áustria) e eu me mandei para a estação de trem Westbahnhof. Fui ao guichê checar a necessidade de um bilhete adicional ao meu passe (lembra o sufoco que passei no trecho Istambul-Bucareste?), pois o mesmo não era válido na Eslováquia. Mas a atendente disse que estava tudo ok e lá fui eu – sem confiar muito nela.

Embarquei desconfiado e torcendo para que ninguém viesse conferir meu bilhete. A viagem transcorria bem e eu, aos poucos, fui me acalmando – mas ainda temia uma multa ou situação constrangedora. Eu deveria descer na segunda estação de Bratislava e apenas um minuto antes de chegarmos aparece um homem para checar os bilhetes. Ele se aproximou e eu lhe mostrei o meu passe. Adivinha? Tudo ok! E o trem parou. Aliviado, desembarquei para conhecer a cidade.

DSC02112

Quem assistiu ao filme O Albergue certamente gravou o nome da capital da Eslováquia. Bratislava ficou mundialmente conhecida entre os jovens devido a esse filme que mostra mochileiros estrangeiros sendo seduzidos por lindas garotas em um albergue, para depois serem cruelmente torturados e assassinados por integrantes de um clã de psicopatas (Elite Hunting) que partilhavam o prazer de pagar para matar. E eu, que nunca tinha ouvido falar da cidade, a incluí no meu roteiro.

A primeira impressão foi ótima. Logo que cheguei me dirigi ao balcão de informações turísticas onde recebi um mapa e um guia super bem estruturados. Em direção ao centro, passei pelo belo Palácio Grassalkovich (ou Palácio Presidencial) que possui, a sua frente, uma interessante fonte – e um popular ponto de encontro.


DSC02106
DSC02105

DSC02024

Em seguida passei pelo Michalská Brána (Portão de São Miguel), a única passagem e torre que está de pé desde os tempos medievais. Construída no início do século 14, hoje sua aparência barroca deve-se a uma repaginação feita em 1758, ano em que também ganhou sua cereja – a estátua de São Miguel e o dragão. No local funciona o Museu de Fortificação Medieval. Interessante também é sentar em algum dos disputados barzinhos da rua Michalská, que cruza o Portão.

DSC02027

DSC02081

A caminho do castelo, encontrei a Katedrála Svätého Martina (Catedral de São Martinho) – dita a maior e uma das mais antigas igrejas da capital – é conhecida por ter sido o local das coroações do Reino da Hungria entre 1563 e 1830. Aliás, dizem que durante as coroações, as águas jorradas pelas fontes da cidade eram substituídas por vinho! Voltando à igreja, os destaques são os grandes vitrais e para o sepulcro no subsolo.

DSC02034

DSC02037

DSC02043
A interminável subida até o Bratislavský Hrad (Castelo de Bratislava) vale mais a pena pelas vistas que se têm da cidade, da Nový Most (Ponte Nova) e do rio Danúbio, que pelo castelo em si. Entretanto, mesmo não sendo nenhuma maravilha, o castelo é um símbolo da cidade.

DSC02058

DSC02066

DSC02064

DSC02074

Depois de descer todo o caminho do morro, fui até a praça Hlavné námestie (a Praça Principal) que abriga o Múzeum Mesta Bratislavy (Museu da Cidade de Bratislava) que, por sua vez, ocupa o prédio da Stará Radnica (Antiga Prefeitura) datado de 1421. Logo atrás, fica a Primaciálne námestie (Praça Primacial) onde está localizado o clássico Primaciálny Palác (Palácio Primacial), dono de uma elegante fachada cor-de-rosa, que foi palco da abolição da servidão húngara e da assinatura de um tratado de paz entre Napoleão Bonaparte e o príncipe da Áustria.

DSC02082

DSC02102

Eu já estava com fome e, seguindo a indicação de uma vendedora de suvenires que encontrei pelo caminho, fui até o Slovenská Reštaurácia (literalmente Restaurante Eslovaco) para experimentar o típico bryndzové halušky (nhoque com queijo de cabra e bacon), bem acompanhado pela cerveja Zlatý Bažant (Faisão Dourado) pra refrescar.

DSC02095

DSC02090

DSC02088

Em frente ao restaurante fica a Hviezdoslavovo námestie, uma praça comprida e bem arborizada, com fontes e a estátua de Pavol Orszégh Hviezdoslav, poeta e dramaturgo eslovaco que dá nome ao local. Uma das extremidades da praça termina no Slovenské Národné Divadlo (Teatro Nacional Eslovaco) onde ocorrem espetáculos de drama, operas e balés.

DSC02096

DSC02092

Ao andar pelas ruas de Bratislava, o difícil é não encontrar alguma estátua que desperte a curiosidade, há pelo menos 11 delas espalhadas pela capital – e cada uma remete a uma história interessante. Duas que me chamaram a atenção são: Čumil e Schone Naci. A primeira (localizada na esquina das ruas Laurinská e Panská) é a mais popular entre os turistas e reproduz um senhor de chapéu, debruçado pra fora de um bueiro, observando quem passa por ali – uma das versões diz que ele olha por baixo das saias das mulheres. Reza a lenda que ao tocar o chapéu dele e fazer um pedido, o mesmo se realizará mas você deve guardar em segredo! A segunda (na rua Sedlárska) é a única estátua prateada (todas as demais são bronze) e reproduz um homem elegantemente vestido, saudando quem passa com uma cartola na mão. O detalhe é que ele realmente existiu e chamava-se Ignac Lamar. A história conta que uma desilusão amorosa o deixou louco e, depois disso, ele era visto pelas ruas oferecendo flores para as mulheres que escolhia aleatoriamente.

DSC02086

DSC02083

Outra história curiosa, embora sinistra, é sobre Agatha Toott Borlobaschin. Há placa comemorativa na calçada da Hurbanovo námestie referindo-se à sua morte, como sendo a primeira bruxa queimada na cidade de Bratislava, no ano de 1602.

DSC02104

Mas, fora a intolerância com as bruxas, cadê a Bratislava assombrosa do filme? Boa pergunta. Pelo que li, as filmagens não foram feitas na cidade, por isso pesquisei mas não achei nenhuma locação. O que encontrei foi uma cidade muito gostosa de se visitar, tranquila e com uma atmosfera provinciana. Mas… E se eu tivesse pernoitado por lá? Qual albergue eu escolheria? O que poderia ter acontecido naquela noite? Será que eu estaria vivo para escrever este blog? Bom, isso jamais saberemos! Rs

O tempo havia fechado e eu, com o roteiro concluído, andei depressa até a estação. Em pouco menos de uma hora de viagem desembarquei tranquilo em Viena – mesmo após um cobrador dizer que o meu passe não era válido para aquele trecho, dá pra entender?

Na manhã seguinte, acordei bem cedo e peguei o trem com destino a Praga, capital da República Tcheca.


Veja a galeria!


Este é o 44º post da série Mochilão na Europa I (28 países)

Leia o post anterior: Um dia em Viena (Áustria)

Leia o post seguinte: Praga: conheça a fascinante capital da República Tcheca 


Evite filas!!
Compre antecipadamente seus ingressos e passeios para Bratislava


Ou acesse o índice com todos os posts dessa série!


↓ Salve esse Pin e siga também nosso Pinterest!


Para a sua viagem

Reserve seu hotel pelo Booking.com
Alugue seu carro pela Rentcars
Compre seu chip internacional Mysimtravel
Viaje sempre protegido com Intermac Seguros
Evite filas comprando antecipadamente seus ingressos e passeios pelo Viator
Prefere uma ajuda profissional para sua viagem? Entre em contato com a Reisen Turismo

Ao utilizar esses links, você ajuda o blog a crescer sem pagar nada a mais por isso!





Booking.com





Guilherme Goss De Paula

Nascido em Tupã, no interior de São Paulo, sua primeira experiência internacional foi um intercâmbio na Alemanha - onde despertou seu interesse por conhecer o mundo. Trabalhou com turismo nos EUA, no Amazonas e em Santa Catarina. Graduou-se em Turismo e Hotelaria e abriu sua própria agência de viagens. Sempre em busca de novos destinos, acumula passagens por mais de 60 países. Como escritor-viajante, já participou de diversas edições dos guias O Viajante, além de ser colaborador voluntário dos sites TripAdvisor e Mochileiros.com. Sua melhor viagem é sempre a próxima!


3 respostas para “Day trip para Bratislava (Eslováquia)”

  1. […] Leia o post anterior: Day trip para Bratislava (Eslováquia) […]

  2. […] Leia o post seguinte: Day trip para Bratislava (Eslováquia) […]

Deixe uma resposta

Inline
Inline