Helsinque, o último destino do meu primeiro mochilão

  • 23/01/2017
  • comentários
  • Por: Guilherme Goss De Paula

DSC03708Estação de trem

Acordei sem pressa no navio Silja Symphony que navegava de Estocolmo a Helsinque. Subi até o último deck para tirar algumas fotos da chegada e logo desembarquei. Encontrei facilmente o tram #3 que me levou até o albergue Stadion – que possui esse nome por se localizar dentro do Estádio Olímpico (entre 2016 e 2019, o estádio e suas dependências estarão fechados para reforma). Fiz o check-in – pela última vez nesse mochilão. Desse momento em diante, eu prestaria mais atenção ainda em cada coisa que fazia, pois a rotina que levei por quase três meses estava chegando ao fim. Ao entrar no quarto, arrumei a cama – também pela última vez -, fiz a programação do meu dia e parti.

DSC03511

Comecei a desbravar a cidade logo pelo cartão-postal do país: Tuomiokirkko (a Catedral Luterana de Hensinque), uma linda construção neoclássica de fachada branca e cúpulas esverdeadas, que possui um interior diferente do que estamos acostumados a ver em outras igrejas, pois não há muitos detalhes, imagens ou vitrais. A Catedral localiza-se na Senaatintori (Praça do Senado), onde também se encontra um monumento em homenagem a Alexandre II da Rússia, além do Palácio do Conselho de Estado e da Universidade de Helsinque.

DSC03555

DSC03682

DSC03683

De lá, segui direto para a Uspenskin katedraali (Catedral de Uspenski) que, apesar de ser outra igreja, é completamente diferente da anterior. Pra começar, trata-se de uma igreja russo-ortodoxa. Sua parte externa possui fachadas avermelhadas de tijolos à vista e cúpulas douradas adornam as extremidades de suas torres. Seu interior chama atenção pela variedade de cores, imagens e afrescos que parecem preencher cada centímetro. Enquanto apreciava os detalhes, aproveitei para agradecer por cada momento da viagem, cidade por cidade. E isso me tomou algum tempo!

DSC03583

DSC03587

Fui à Praça do Mercado, no porto, onde ocorre uma espécie de feira livre – e eu adoro essas coisas. Escolhi uma barraquinha e sentei-me para almoçar. Pedi um prato com frutos do mar: camarão, polvo, salmão, um outro peixe qualquer e salada. Estava uma delícia!

DSC03605

DSC03603

De barriga cheia, peguei um barco e fui até a Ilha de Suomenlinna, onde há uma fortaleza construída em 1700. Depois de algumas horas na ilha, voltei, comprei alguns suvenires da Praça do Mercado e fui conhecer um Ice Bar pela primeira vez. Para entrar no bar que leva o nome da vodka Absolut, paguei € 10 e ganhei um drink. Todos os outros drinks também custavam € 10 cada. Por isso tomei o meu, tirei algumas fotos e parti!

DSC03611

DSC03624

DSC03630

DSC03638

Continuei perambulando pelas ruas da cidade e encontrei o Edifício Finlândia (nada demais) que fica em frente ao National Museum of Finland, este é responsável por contar a história dessas terras desde a pré-história. A essa altura eu estava bastante cansado e, talvez, com a cabeça no Brasil, mas ainda encontrei um restinho de disposição para visitar a Temppeliaukio Kirkko – adivinha? Outra igreja! Ok, mas essa é realmente muito original: foi construída embaixo de uma rocha, para preservá-la no local.

DSC03716

DSC03723

Assim terminava meu último dia de visitações. Chegando ao albergue, ainda assisti a uma parte de um jogo de futebol que ocorria em um dos campos ao redor do estádio e só. No outro dia peguei tram e ônibus para chegar ao aeroporto. Voei de Helsinque a Madri pela Finnair e segui para o Brasil pela Iberia.

Quer saber o que ficou desse mochilão de quase três meses por 28 países europeus?

Leia o último post dessa saga – em breve! =)


Este é o 53º post da série Mochilão na Europa I (28 países)

Leia o post anterior: Estocolmo: a mais bela capital escandinava

Leia o post seguinte: O que eu aprendi no meu primeiro mochilão?


Veja a galeria


Evite filas!!
Compre antecipadamente seus ingressos e passeios para Helsinque


Ou acesse o índice com todos os posts dessa série!


↓ Salve esse Pin e siga também nosso Pinterest!


Para a sua viagem

Reserve seu hotel pelo Booking.com
Alugue seu carro pela Rentcars
Compre seu chip internacional Mysimtravel
Viaje sempre protegido com Intermac Seguros
Evite filas comprando antecipadamente seus ingressos e passeios pelo Viator
Prefere uma ajuda profissional para sua viagem? Entre em contato com a Reisen Turismo

Ao utilizar esses links, você ajuda o blog a crescer sem pagar nada a mais por isso!





Booking.com





Guilherme Goss De Paula

Nascido em Tupã, no interior de São Paulo, sua primeira experiência internacional foi um intercâmbio na Alemanha - onde despertou seu interesse por conhecer o mundo. Trabalhou com turismo nos EUA, no Amazonas e em Santa Catarina. Graduou-se em Turismo e Hotelaria e abriu sua própria agência de viagens. Sempre em busca de novos destinos, acumula passagens por mais de 60 países. Como escritor-viajante, já participou de diversas edições dos guias O Viajante, além de ser colaborador voluntário dos sites TripAdvisor e Mochileiros.com. Sua melhor viagem é sempre a próxima!


3 respostas para “Helsinque, o último destino do meu primeiro mochilão”

  1. […] sei se vocês notaram, mas o encerramento do post anterior desta série de posts sobre o meu primeiro mochilão foi um pouco frio… Aliás, ficou muito frio levando em consideração que Helsinque era o […]

  2. […] Post #53: Helsinque, o último destino do meu primeiro mochilão […]

  3. […] Leia o post seguinte: Helsinque: o último destino do meu primeiro mochilão […]

Deixe uma resposta

Inline
Inline