Minha terrível experiência em Bucareste

  • 15/09/2016
  • comentários
  • Por: Guilherme Goss De Paula

Após uma viagem interminável, que durou 19 horas de trem, atravessando parte da Turquia e a Bulgária do sul ao norte, cheguei à capital romena. Logo ao desembarcar saquei um pouco de dinheiro e conheci duas mochileiras australianas. Juntos, saímos em busca de algum albergue. O primeiro que encontramos não tinha vagas mas o segundo, infelizmente, sim.

DSC01578

Ficamos hospedados no Funky Chicken, onde não tive uma experiência muito agradável. Eu que só esperava uma boa cama para descansar da odisseia que acabara que vivenciar, me ferrei. O albergue não tinha fachada, sua entrada passava por um pátio com mesas e cadeiras em péssimo estado, as paredes estavam bastante desgastadas e a cama foi a mais dura que já dormi. O banheiro era minúsculo e, pra piorar (sim, é possível), meu quarto era uma espécie de corredor, pois havia uma porta que dava pra outro quarto. Também não havia lockers, nem internet e nem café da manhã (se você estiver indo pra lá, acalme-se, certamente alguma coisa já deve ter mudado desde então).

Apesar de tudo isso, havia uma coisa muito boa: meus companheiros de quarto eram extremamente agradáveis, principalmente a inglesa Leah e um australiano mais velho, que não me lembro o nome. Saímos todos para comer, e eu, esgotado, achando que encontraria algo por perto. Foram necessários 25 minutos de caminhada até encontrarmos um Döner House (uma lanchonete básica). Fiz meu pedido e fiquei observando… Com a mesma mão que se recebe o dinheiro, faz-se o lanche e, enquanto isso, o nariz é coçado. Deixando a falta de higiene de lado, o lanche (tipo kebab) era gostoso e enorme, finalizei na raça!

O pessoal estava a fim de tomar alguma coisa e entramos num local meio alternativo chamado Suburban. A música estava ótima e as pessoas animadas, mas meus novos amigos não gostaram da baixa média de idade dos frequentadores do bar e decidiram procurar outra opção. Eu estava curtindo mas, como ainda não sabia o caminho de volta, tive que segui-los.

Encontramos outro bar underground que também não satisfez a galera. Por fim, paramos em um terceiro bar, que era mais convencional e parece ter agradado a todos. Eu estava tão empanturrado pelo lanche que não consegui nem terminar a segunda cerveja. Além disso o sono estava me pegando e eu tentando me controlar para não parecer um zumbi. Enquanto todos conversavam e bebiam animados, eu, às vezes, respondia a alguma pergunta. E o australiano sempre pedia mais uma cerveja! Enfim, uma das australianas se tocou e deu a ideia maravilhosa de irmos para o albergue. E dá-lhe caminhada. Estávamos tão longe que a distância afastou até mesmo o meu sono.

A verdade é que a má impressão que tive do albergue parecia ter refletido na própria cidade que me pareceu muito suja e descuidada. No entanto, gostei do agito noturno no centro da cidade.

Fui dormir com uma dúvida cruel na cabeça: deveria ficar para realmente conhecer a cidade e seus atrativos e, talvez, melhorar a opinião sobre a mesma ou deveria seguir viagem até a Transilvânia?

Na manhã seguinte, acordei determinado e fui até a estação descobrir os horários dos trens para Braşov, ponto de partida para quem visita o Castelo do Conde Drácula. O futuro da minha viagem dependia somente disso. Fui informado que o próximo trem sairia em pouco tempo. Assim, resolvi deixar a capital junto com a minha má impressão para trás e seguir viagem.

Bucareste permanece desconhecida para mim, e a única certeza que tenho é que quero voltar para ver o outro lado da moeda.


Este é o 40º post da série Mochilão na Europa I (28 países)

Leia o post anterior: Multado no trem: a interminável viagem de Istambul a Bucareste

Leia o post seguinte: A verdadeira história do Conde Drácula (Bran, Romênia)


Evite filas!!
Compre antecipadamente seus ingressos e passeios para Bucareste


Ou acesse o índice com todos os posts dessa série!


↓ Salve esse Pin e siga também nosso Pinterest!


Para a sua viagem

Reserve seu hotel pelo Booking.com
Alugue seu carro pela Rentcars
Compre seu chip internacional Mysimtravel
Viaje sempre protegido com Intermac Seguros
Evite filas comprando antecipadamente seus ingressos e passeios pelo Viator
Prefere uma ajuda profissional para sua viagem? Entre em contato com a Reisen Turismo

Ao utilizar esses links, você ajuda o blog a crescer sem pagar nada a mais por isso!





Booking.com





Guilherme Goss De Paula

Nascido em Tupã, no interior de São Paulo, sua primeira experiência internacional foi um intercâmbio na Alemanha - onde despertou seu interesse por conhecer o mundo. Trabalhou com turismo nos EUA, no Amazonas e em Santa Catarina. Graduou-se em Turismo e Hotelaria e abriu sua própria agência de viagens. Sempre em busca de novos destinos, acumula passagens por mais de 60 países. Como escritor-viajante, já participou de diversas edições dos guias O Viajante, além de ser colaborador voluntário dos sites TripAdvisor e Mochileiros.com. Sua melhor viagem é sempre a próxima!


2 respostas para “Minha terrível experiência em Bucareste”

  1. […] Leia o post seguinte: Minha terrível experiência em Bucareste […]

  2. […] Leia o post anterior: Minha terrível experiência em Bucareste […]

Deixe uma resposta

Inline
Inline