Um tour a pé por Cracóvia (Polônia)

  • 2/01/2017
  • 1 comentário
  • Por: Guilherme Goss De Paula

Cracóvia é a segunda maior cidade polonesa, terra natal de João Paulo II e o local onde ocorreu o episódio dramatizado em A Lista de Schindler – que salvou muitos judeus da morte.

DSC02451

Apesar de possuir seus atrativos, a cidade não era um destino que eu tanto interesse e entrou no meu roteiro por ser um bom ponto de partida para Auschwitz (leia o post anterior). Mas, como cheguei na cidade com algum tempo sobrando (pois meu trem era noturno) e a estação de trem ficava a menos de 10 minutos do centro da cidade, aproveitei para me desintoxicar do mal visto pelos campos de concentração.

Fui até a Stare Miasto (Cidade Velha), que concentra a maior parte das atrações. No centro fica a Rynek Glówny (a grande Praça Central), pano de fundo de discursos, execuções e manifestações no passado; hoje é um local tranquilo e familiar. É nessa praça que fica o Sukiennice, um elegante mercado repleto de lojinhas de suvenires e produtos típicos.

DSC02460

No sentido sul da praça, caminhando pela rua Grodzka, encontrei a Kosciol Sw. Piotra i Pawla (Igreja de São Pedro e São Paulo) construída em estilo barroco e guardada pelas estátuas dos 12 apóstolos.

DSC02455

DSC02462

Ao final da mesma rua, no alto no morro, localiza-se o complexo Wawel, que abriga a catedral e o castelo. A Katedra (Catedral de Wawel) é uma das mais belas (senão a mais) construções da cidade. Um de seus destaques é o sino de 10 toneladas, o Sigismund Bell, cujo badalo pode ser ouvido a mais de 10km de distância. O Zamek Królewski (Castelo de Wawel) possui vários setores (pagos à parte) que expõem tapeçarias, o trono, tesouros, artefatos e até escavações arqueológicas. No jardim do complexo está o Smocza Jama (Covil do Dragão), uma caverna que, segundo a lenda, foi habitada por um desses gigantes. Não à toa, o dragão é um símbolo da cidade.

DSC02464

DSC02465

DSC02471

A hora do meu próximo trem estava chegando e resolvi voltar até a estação, deixando algumas atrações pra trás – mas não sem antes dar mais uma volta na praça e comprar algo para comer durante a viagem. Diferentemente de outras salas de espera, aquela possuía vários lustres dourados antigos – e embalados por telas para protegê-los dos pombos.

DSC02482

DSC02489

DSC02493

Ao embarcar para a minha segunda noite consecutiva no trem, uma surpresa: um jovem intercambista brasileiro na minha cabine. Junto com ele viajavam mãe e irmã (hospedeiras) alemãs e outra intercambista francesa. Todos moravam juntos em Berlim, para onde estávamos indo. Eu, que também fiz intercâmbio na capital germânica, tratei logo de puxar assunto com a família toda, o papo foi longo e agradável. Eu estava prestes a rever a cidade e a minha família hospedeira, e a ansiedade era grande.


Veja a galeria


Este é o 47º post da série Mochilão na Europa I (28 países)

Leia o post anterior: Auschwitz: a exibição do terror

Leia o post seguinte: Berlim (em breve!)


Reserve sua hospedagem pelo Booking.com clicando aqui!!
Assim você ajuda a mantermos o blog, sem pagar nada a mais por isso 🙂


Evite filas!!
Compre antecipadamente seus ingressos e passeios para Cracóvia







Guilherme Goss De Paula

Nascido em Tupã, no interior de São Paulo, sua primeira experiência internacional foi um intercâmbio na Alemanha - onde despertou seu interesse por conhecer o mundo. Trabalhou com turismo nos EUA, no Amazonas e em Santa Catarina. Graduou-se em Turismo e Hotelaria e abriu sua própria agência de viagens. Sempre em busca de novos destinos, acumula passagens por mais de 60 países. Como escritor-viajante, já participou de diversas edições dos guias O Viajante, além de ser colaborador voluntário dos sites TripAdvisor e Mochileiros.com. Sua melhor viagem é sempre a próxima!


Uma resposta para “Um tour a pé por Cracóvia (Polônia)”

  1. […] Leia o post anterior: Um tour a pé por Cracóvia (Polônia) […]

Deixe uma resposta

Inline
Inline