O dia da decisão: Vou fazer um mochilão pela Europa

  • 17/03/2016
  • comentários
  • Por: Guilherme Goss De Paula

A DECISÃO VOU FAZER UM MOCHILÃO PELA EUROPA

O ano era 2007, estávamos em setembro e eu acabara de me formar na faculdade de Turismo e Hotelaria, em Balneário Camboriú. O mercado de agências de viagens me atraia bastante, porém eu me sentia intimidado por não conhecer tão bem o exterior (apesar de já ter tido experiências na Alemanha e nos Estados Unidos). Pra seguir meu caminho na desejada profissão de agente de viagens eu via duas opções: a) Distribuir currículos e aprender sobre os lugares por meio de leituras e treinamentos; b) Preparar meu próprio roteiro e me jogar na Europa para um mochilão e voltar com a bagagem cheia de conhecimento. Qual opção você escolheria? Pois é!

Em maio daquele mesmo ano, por coincidência ou não, meu pai tinha me presenteado, de aniversário, com o Guia Visual Europa (da Publifolha). E foi em uma noite qualquer de setembro que eu me decidi: – Vou fazer um mochilão pela Europa. Eram cerca de 23h quando peguei o guia (ainda intacto), sentei-me na cama, acendi a luminária e mergulhei de cabeça naquela ideia bruta e crua que acabara de ter. Empolgado, comecei a ler sobre a história e os atrativos que remetiam às aulas do ensino médio que eu já nem me lembrava mais. As páginas iam se virando e as horas iam passando. Com uma caneta na mão, o esboço de um roteiro ia se formando em folhas avulsas jogadas pela cama. Mais uma página. Mais um país. Sem pausas. Quando olhei pela janela, já podia ver os primeiros raios de sol do dia seguinte me avisando que a cada momento eu estava mais próximo de transformar aquela ideia em uma grande viagem. Barulho na rua, carros passando, obras em andamento. O bate-estaca já havia começado. O outro dia chegara de vez e todos já estavam em uma nova jornada de trabalho, de estudos, mas eu continuava ali. Lia tão interessado como nunca antes havia feito. E eu queria mais.

Os dias se passavam e eu ia mexendo no roteiro. Uma alteração aqui, um ajuste ali. Seguia as localizações no mapa e bisbilhotava informações na internet. Achei, por bem, que deveria comprar mais um guia, pois ainda me faltavam algumas coisas. Conheci o site O Viajante e fiz o pedido do Guia Criativo para O Viajante Independente na Europa. Eu precisava de um guia que falasse a minha língua, que me entendesse e, principalmente, que me desse opções proporcionais ao meu bolso. A escolha foi certeira. Indicações de albergues, restaurantes baratos, passeios gratuitos e uma linguagem informal, igual a minha, era tudo o que eu precisava para complementar e concluir o meu roteiro.

Em dois meses eu já tinha lido (e relido) sobre tudo: passagens, passaporte, seguro, vacina, carteira de habilitação internacional, guias, mapas, metrôs, trens, ônibus, ferries, museus, parques, passeios, albergues, restaurantes, sites e etc. Com todas essas informações, a ânsia de embarcar era terrível e angustiante. Eu não falava sobre mais nada e, provavelmente, ninguém mais aguentava me ouvir falar sobre a viagem.

O meu roteiro estava pronto: 28 países europeus em, no máximo, três meses. Quem ouvia isso se encantava no ato ou debochava: “- Impossível. Você tá ficando louco. Não vai conseguir. Por que não fica só um mês? Escolha só um país”. Confesso que era muito duro ouvir tudo isso. E ao mesmo tempo que me fazia indagar se seria capaz de cumprir a meta estabelecida, me dava mais motivação para realizar aquela viagem. Afinal, eu havia lido tanto, estudado tanto, pesquisado tanto que não poderia resumir meu roteiro – nem em dias, nem em países. Por teimosia ou determinação, mantive o roteiro e estava prestes a ser minha própria cobaia experimental.

Já eram meados de novembro e a vontade de partir logo rumo ao Velho Continente aumentava a cada dia. Eu me sentia pronto, mas… Peraí. A viagem está marcada para março. É no ano que vem. E, pensando bem, ainda eram meados de novembro. O que fazer durante todos esses longos e preguiçosos meses? A verdade é que havia muita água pra correr até caírem as de março. Eu precisava me manter focado pra não desanimar. Foi então que conheci as histórias de Amyr Klink e outros aventureiros. Eu me via em suas epopeias e espelhava-me neles enquanto aguardava e sonhava com os meus momentos. Eu continuava ali, sentado, lendo. Esperando, inerte, mas viajando o tempo todo em meus pensamentos e nas folhas dos livros, em sagas alheias. Continuava ali, só esperando para ser o protagonista. Só esperando pelo dia do meu embarque.


Este é o primeiro post da série Mochilão na Europa I (28 países)

Leia o próximo post da série: O dia do embarque e os primeiros perrengues

Ou acesse o índice com todos os posts dessa série!


↓ Salve esse Pin e siga também nosso Pinterest

mochilao na europa


Para a sua viagem

Reserve seu hotel pelo Booking.com
Alugue seu carro pela Rentcars
Compre seu chip internacional Mysimtravel
Viaje sempre protegido com Intermac Seguros
Evite filas comprando antecipadamente seus ingressos e passeios pelo Viator
Prefere uma ajuda profissional para sua viagem? Entre em contato com a Reisen Turismo

Ao utilizar esses links, você ajuda o blog a crescer sem pagar nada a mais por isso!





Booking.com





Guilherme Goss De Paula

Nascido em Tupã, no interior de São Paulo, sua primeira experiência internacional foi um intercâmbio na Alemanha - onde despertou seu interesse por conhecer o mundo. Trabalhou com turismo nos EUA, no Amazonas e em Santa Catarina. Graduou-se em Turismo e Hotelaria e abriu sua própria agência de viagens. Sempre em busca de novos destinos, acumula passagens por mais de 60 países. Como escritor-viajante, já participou de diversas edições dos guias O Viajante, além de ser colaborador voluntário dos sites TripAdvisor e Mochileiros.com. Sua melhor viagem é sempre a próxima!


3 respostas para “O dia da decisão: Vou fazer um mochilão pela Europa”

  1. […] Leia o post anterior: O dia da decisão: Vou fazer um mochilão pela Europa […]

  2. […] contei em outro post como foi o planejamento para esse mochilão. E, embora o mesmo tenha sido muito bem feito – modéstia à parte –, durante o calor da viagem […]

  3. […] Post #01: O dia da decisão: Vou fazer um mochilão pela Europa […]

Deixe uma resposta

Inline
Inline