HEADER SITE - VIAJANTE INVETERADO
Menu

Cadê o Franco? (Zurique, Suíça)

  • 27/06/2016
  • comentários
  • Por: Guilherme Goss De Paula

Error: Access Token is not valid or has expired. Feed will not update.
This error message is only visible to WordPress admins

There's an issue with the Instagram Access Token that you are using. Please obtain a new Access Token on the plugin's Settings page.
If you continue to have an issue with your Access Token then please see this FAQ for more information.

DSC09413

Logo ao desembarcar do trem procurei um posto de informações para pedir um mapa.

– A gente cobra seis francos suíços – diz a atendente.

– Ok, obrigado – respondo rápido, rejeitando o mapa, enquanto ainda tento assimilar a resposta.

Já contei em outro post como foi o planejamento para esse mochilão. E, embora o mesmo tenha sido muito bem feito – modéstia à parte –, durante o calor da viagem simplesmente me esqueci que o país não faz parte da Zona do Euro. Não sei se fiquei mais assustado com a minha própria distração ou com o preço do mapa – que é distribuído gratuitamente na maioria das cidades europeias.

Passada a confusão mental, troquei alguns euros e peguei o ônibus seguindo minhas anotações para chegar ao albergue. Fiquei no Hostel Suisse que tinha um bom quarto, apesar de ficar um pouco afastado da estação e dos principais atrativos. Minha opção seria por outro local mas, novamente, deixei pra fazer a reserva em cima da hora e deu no que deu. Como cheguei muito cedo não pude fazer o check-in (que era somente às 15h), então deixei minha coisas, peguei um mapa (gratuito) e fui explorar a cidade.

O centro histórico de Zurique é bem pequeno e dá pra percorrer tudo a pé. Comecei na estação central, seguindo pela Bahnhofstrasse que é dominada pelo comércio, e os trilhos dos bondes no meio da rua lhe dão um ar especial. Em paralelo a ela corre o rio Limmat, que desemboca no lago Zurique. Suas margens sugerem uma longa e agradável caminhada, observando as construções típicas que beiram toda a sua extensão.

DSC09417

No caminho, pode-se visitar a igreja St. Peter, que é a mais antiga da cidade e, mais adiante, a igreja Fraumünster que possui vitrais de Marc Chagall.

Fraumünster

Continuando a caminhada, cruzei a Quaibrücke (última ponte antes do lago) e me juntei às centenas de pessoas (locais e turistas) que se descontraiam no calçadão Utoquai, uma área florida, arborizada e com uma vista deslumbrante do lago.

DSC09463

DSC09466

No caminho de volta, agora pela outra margem, cheguei à igreja Grossmünster e aproveitei para subir a Karlsturm – as torres gêmeas que oferecem um cenário digno de uma boa pintura, com a cidade inteira emoldurada pelos Alpes. É imperdível.

DSC09441

DSC09480

DSC09493

Em toda essa área central, a impressão que dá é que Zurique tem mais cafés que residências. Portanto, vale a pena aproveitar a ocasião e escolher um deles para observar a vida da cidade.

Depois de andar bastante pelo centro, decidi conhecer a sede da FIFA (isso foi bem antes dos escândalos envolvendo a federação). Depois de um tempão a bordo de um bonde, finalmente cheguei ao local. Tive que ficar espiando do lado de fora, pois a sede estava fechada, mesmo assim deu pra ver alguma coisa e curtir, de volta, o longo passeio de bonde até a estação central – de onde peguei o ônibus e segui para o albergue.

DSC09514

Já era noite e, enfim, fiz o check-in. Entrei no quarto e me senti com sorte, pois era um quarto para duas pessoas mas só havia eu. O bacana de ficar em albergues, além de pagar pouco, é fazer amizades, mas tem horas que também sentimos vontade de ficar só e descansar – principalmente após dividir o quarto com 20 pessoas, como foi o caso em Munique. Ajeitei minhas coisas e fui tomar banho. Quando voltei, para minha surpresa, havia mais uma pessoa no quarto. Puxei conversa e acabou sendo interessante conhecer um búlgaro, Alexi, que já havia visitado o Brasil com sua faculdade.

No outro dia, ao descer para o café da manhã, descobri que o albergue não oferecia nada para comer. Quem salvou a minha fome? O camarada búlgaro, que me ofereceu um bolo, um lanche e uma maçã – com a fome que eu estava, aceitei na hora!

Minutos depois, despedi-me no novo amigo de algumas horas e parti para a estação. O passeio em Zurique chegara ao fim, mas a viagem pela Suíça estava apenas começando e eu embarquei no trem para sua capital, Berna.


Este é o 23º post da série Mochilão na Europa I (28 países)

Leia o post anterior: Munique: uma das cidades mais interessantes da Europa (Alemanha)

Leia o post seguinte: Beleza medieval e charme suíço (Berna, Suíça)

Ou acesse o índice com todos os posts dessa série!


↓ Salve esse Pin e siga também nosso Pinterest!


Para a sua viagem

Reserve seu hotel pelo Booking.com
Alugue seu carro pela Rentcars
Compre seu chip internacional Mysimtravel
Viaje sempre protegido com Intermac Seguros
Evite filas comprando antecipadamente seus ingressos e passeios pelo Viator
Prefere uma ajuda profissional para sua viagem? Entre em contato com a Reisen Turismo

Ao utilizar esses links, você ajuda o blog a crescer sem pagar nada a mais por isso!





Booking.com





Guilherme Goss De Paula

Nascido em Tupã, no interior de São Paulo, sua primeira experiência internacional foi um intercâmbio na Alemanha - onde despertou seu interesse por conhecer o mundo. Trabalhou com turismo nos EUA, no Amazonas e em Santa Catarina. Graduou-se em Turismo e Hotelaria e abriu sua própria agência de viagens. Sempre em busca de novos destinos, acumula passagens por mais de 60 países. Como escritor-viajante, já participou de diversas edições dos guias O Viajante, além de ser colaborador voluntário dos sites TripAdvisor e Mochileiros.com. Sua melhor viagem é sempre a próxima!


3 respostas para “Cadê o Franco? (Zurique, Suíça)”

  1. […] Leia o post anterior: Cadê o Franco? (Zurique, Suíça) […]

  2. […] Leia o post seguinte: Cadê o Franco? (Zurique, Suíça) […]

Deixe uma resposta

Viajante Inveterado 2018 © Todos os Direitos Reservados

Feito com ❤ por Brothers Filmes