Em Malmö, por acidente

  • 12/01/2017
  • comentários
  • Por: Guilherme Goss De Paula

Malmö? Mas… No último post eu estava embarcando para Estocolmo… O que aconteceu, afinal?

DSC03295

Embarquei no trem em Oslo e fui, realmente, até a capital sueca. Cheguei lá às 22h10. Não tinha conseguido reservar nada… Nem albergue, nem hotel… Na estação estava tudo fechado, até o guichê de informações. A cara do ambiente, que estava em reforma, não era das melhores e fiquei bastante apreensivo. É complicado chegar em uma cidade grande sem conhecer nada e sem conseguir informações – mesmo estando na Escandinávia. Saí da estação procurando indicações e placas de algum meio de hospedagem próximo… Não encontrei. Por fim, tive uma ideia: embarcar em um trem noturno para o local mais distante possível para passar a noite e retornar pela manhã. Essa é uma das vantagens de ter um passe de trem! Entre as opções que tinha, a melhor era Malmö por vários motivos: a distância era grande, portanto, havia trem noturno com cama; na manhã seguinte havia trens rápidos para a capital; e a famosa ponte Øresund, que eu tanto queria conhecer, ficava lá – eu tinha passado por ela quando fiz o trecho Copenhague/Oslo mas não a havia visto, por pura distração.

Paguei a taxa de reserva (€15) e embarquei. Na mesma cabine havia duas pessoas: um paquistanês que estudava desenvolvimento de softwares na Suécia e um sueco que trabalhava na indústria moveleira, conhecia 50 países e havia trabalhado para o reality Survivor.

Quando acordei, o destino já estava bem próximo. Desembarquei e dei de cara com tudo fechado. Se na noite anterior tudo estava fechado por ser tarde, a chegada em Malmö ocorreu cedo demais. Não havia ninguém disponível para dar uma informação sequer.

Deixei a mochila no locker e fui ao terminal de ônibus (ao lado da estação ferroviária), onde encontrei um mapa. Decifrei as linhas, os horários e aguardei o horário do transporte público começar a rodar. Muito interessado em conhecer a ponte Øresund, segui com o ônibus #4 por cerca de 20 minutos até o ponto mais próximo da ponte. Depois caminhei por uns 30 minutos, passando por um camping cheio de motorhomes até conseguir avistar a ponte.

DSC03329

Mas afinal, o que ela tem de tão especial? Bom, muito antes de pensar em fazer esse mochilão, eu tinha recebido um e-mail com uma montagem em powerpoint (isso era super descolado na época… rs) sobre a engenharia dessa ponte que une a Dinamarca a Suécia, atravessando um estreito homônimo. A Øresund possui 7845 metros, sendo a maior ponte rodoferroviária de toda a Europa, mas o mais fascinante é que, para não atrapalhar a navegação no estreito, a construíram metade ponte e metade túnel. É uma obra fantástica!

DSC03300

DSC03306

Fiquei um bom tempo ali, hipnotizado pela grandiosidade daquela ponte. Tomei fôlego e parti de volta ao ponto de ônibus. Já na estação, fiz reserva para o próximo trem e consegui uma conexão de internet para tentar, novamente, reservar minha hospedagem em Estocolmo. Após várias buscas, consegui um hotel razoável – embora caro.

Pouco depois, peguei minha mochila e embarquei, novamente, rumo a capital. O vagão que eu estava admitia animais (não vale fazer piada… rs) e viajei com dois cachorros nos meus pés! Eles se comportaram muito bem e nem chegaram perto da lasanha que comi no almoço. Em algumas horas, o trem chegaria a Estocolmo.

Clique aqui para ver mais fotos da Ponte Øresund no Google Imagens


Este é o 51º post da série Mochilão na Europa I (28 países)

Leia o post anterior: Oslo: a capital viking

Leia o post seguinte: Estocolmo: a mais bela capital escandinava


Veja a galeria!


Evite filas!!
Compre antecipadamente seus ingressos e passeios para Malmö


Ou acesse o índice com todos os posts dessa série!


↓ Salve esse Pin e siga também nosso Pinterest!


Para a sua viagem

Reserve seu hotel pelo Booking.com
Alugue seu carro pela Rentcars
Compre seu chip internacional Mysimtravel
Viaje sempre protegido com Intermac Seguros
Evite filas comprando antecipadamente seus ingressos e passeios pelo Viator
Prefere uma ajuda profissional para sua viagem? Entre em contato com a Reisen Turismo

Ao utilizar esses links, você ajuda o blog a crescer sem pagar nada a mais por isso!





Booking.com





Guilherme Goss De Paula

Nascido em Tupã, no interior de São Paulo, sua primeira experiência internacional foi um intercâmbio na Alemanha - onde despertou seu interesse por conhecer o mundo. Trabalhou com turismo nos EUA, no Amazonas e em Santa Catarina. Graduou-se em Turismo e Hotelaria e abriu sua própria agência de viagens. Sempre em busca de novos destinos, acumula passagens por mais de 60 países. Como escritor-viajante, já participou de diversas edições dos guias O Viajante, além de ser colaborador voluntário dos sites TripAdvisor e Mochileiros.com. Sua melhor viagem é sempre a próxima!


4 respostas para “Em Malmö, por acidente”

  1. […] de toda confusão que havia acontecido no dia anterior (leia aqui para entender), a decisão que eu havia tomado foi bastante coerente e cá estava eu, novamente, chegando na […]

  2. Vicente disse:

    Caro Guilherme,
    Cheguei ao seu relato enquando procurava informações sobre Malmö. Em outros sites tive notícias de que a cidade passa por uma onda de violência. Por mais que sua passagem nesta cidade tenha sido breve, você passou por alguma situação ou percebeu algo que seja pertinente comentar?
    Abraços
    Vicente Sobreira

    • Olá, Vicente!
      Tive a oportunidade de voltar a Malmö algum tempo depois dessa primeira passagem pela cidade.
      Eu, particularmente, não percebi absolutamente nada quando a visitei nessas duas oportunidades.
      Agora, após ler seu comentário, fiz uma rápida pesquisa e descobri que realmente houve ondas de violência noticiadas pela mídia – principalmente entre 2014 e 2015.
      Não encontrei, porém, notícias mais recentes relatando algo de grave.
      Muito obrigado pelo seu comentário e continuo à disposição!
      Abraço!

  3. […] Leia o post seguinte: Em Malmö, por acidente […]

Deixe uma resposta

Inline
Inline